terça-feira, 6 de janeiro de 2015

[Dossiê] Tirando a poeira de V de Vingança

 

Paixão. Essa palavra define o que eu sinto por essa HQ clássica, que às vezes me deixa sem adjetivos para qualificá-la. Parece que nenhuma palavra pode descrever o quanto acho essa criação do Alan Moore genial, relevante e imortal. Você certamente já viu a icônica máscara do V por aí, seja nas manifestações ao redor do Brasil desde 2013 ou como símbolo da famosa organização Anonymous. V é um personagem tão fantástico que conseguiu emergir das páginas dos quadrinhos e se tornar, mais do que um símbolo, uma ideia. Uma ideia para inúmeras pessoas. Uma ideia de liberdade, de anarquismo, de revolução política, de consciência, de maturidade intelectual. V se tornou na vida real o que o destino que Alan Moore lhe reservou nos quadrinhos. Eis um caso em que a vida imita a arte.

Londres. Cinco de novembro de 1997. Um verdadeiro marco na história da narrativa gráfica, V de Vingança é um hino à resistência e à necessidade de liberdade. Sua importância é tão grande que até hoje é apontada como uma das melhores publicações do gênero, tendo, inclusive, influenciado os irmãos Wachowski (criadores da trilogia Matrix) a produzir um excelente filme baseado na obra. [Sinopse do Skoob]

V de Vingança figura entre as melhores distopias clássicas já publicadas. Seu título original é V for Vendetta. A palavra de origem italiana "vendetta", segundo o dicionário online Dicio, significa:


V é um homem que se preparou por muitos e muitos anos para a sua grande vingança contra os líderes do governo totalitário de uma Londres decadente e cheia de cidadãos amedrontados, manipulados e devastados pela guerra, pelas epidemias e pela violência. A corrupção impera e ninguém mais vive - apenas sobrevive. V foi uma vítima terrível de um campo de concentração onde se realizava experiências científicas com cobaias humanas. Mas a despeito de tudo, ele não só sobreviveu a essa atrocidade, mas se fortaleceu com ela. Alan Moore e David Lloyd utilizaram Guy Fawkes como inspiração para criar V, trasvesti-lo e V encarnou todos os seus ideais. Guy Fawkes foi um personagem histórico muito importante na história da Inglaterra.
Guy Fawkes (Iorque, 13 de abril de 1570 — Londres, 31 de janeiro de 1606), também conhecido como Guido Fawkes, foi um soldado inglês católico que teve participação na "Conspiração da pólvora" (Gunpowder Plot) na qual se pretendia assassinar o rei protestante Jaime I da Inglaterra e todos os membros do Parlamento inglês durante uma sessão em 1605, para assim dar início a um levante católico. Guy Fawkes era o responsável por guardar os barris de pólvora que seriam utilizados para explodir o Parlamento durante a sessão. Porém a conspiração foi desarmada e após ser interrogado sob tortura, Fawkes foi condenado à morte na forca por traição e tentativa de assassinato. Outros participantes da conspiração acabaram tendo o mesmo destino. Sua captura é celebrada até os dias atuais no dia 5 de novembro, na "Noite das Fogueiras" (Bonfire Night).
Fonte: Wikipedia
Guy Fawkes, cujos traços serviram de modelo para a criação da máscara de V

V é um homem extremamente culto, inteligente, que está sempre a um passo dos outros e que quis, mais do que uma vingança pessoal, uma vingança do povo e para o povo. Ele não quis que os malfeitores pagassem pelo que haviam feito a ele, mas também a todos. Cada pessoa dessa Inglaterra futurística e decadente.

O traço de David Lloyd é muito marcante e o argumento de Alan Moore muito detalhista e culto. Referências a Shakespeare estão por toda a obra. Eis algumas das frases brilhantes com as quais V nos brinda ao longo da graphic novel:
"A anarquia ostenta duas faces. A de Destruidores e a de Criadores. Os Destruidores derrubam impérios, e com os destroços, os Criadores erguem Mundos Melhores."
"Por baixo dessa carne existe um ideal. e as ideias nunca morrem."
"Os artistas usam a mentira para revelar a verdade, enquanto os políticos usam a mentira para esconde-la."
"Um homem pode morrer, lutar, falhar, até mesmo ser esquecido, mas sua ideia pode modificar o mundo mesmo tendo passado 400 anos." 
Esta HQ é para aqueles que se importam com o rumo que a sociedade moderna está tomando, com os acontecimentos estarrecedores que inundam nossos ouvidos e olhos diariamente. Como disse David Lloyd na introdução que escreveu para a HQ em 14 de janeiro de 1990, "em V de Vingança não há muitos personagens alegres e descontraídos; e é pra gente que não desliga na hora do noticiário". E como V repete várias e várias vezes, "remember, remember the 5th of November". Relembremos, então.

10/10
-

V de Vingança (V for Vendetta) - EUA 1982-1989 - Roteiro: Alan Moore (roteiros) | Desenhos: David Lloyd e Tony Weare | Letras: Steve Craddock | Cores: Steve Whitaker, Slobhan Dodds e David Lloyd | Edição: Karen Berger e Scott Nybakken
 
© 2014. Design por Main Blogger | Editado e finalizado por Guilherme e Carlos