segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Tirando a poeira d'A Mosca

 

The Fly, o conto escrito pelo britânico George Langelaan, saiu em 1957. No ano seguinte, a primeira adaptação (A Mosca da Cabeça Branca) chegava às telonas. Esta recebeu duas continuações e a trilogia se saiu relativamente bem em crítica e público. Mas foi somente em 1986 que a tal mistura entre horror e sci-fi chegaria ao seu limiar, passando pelas perturbadas mãos de David Cronenberg.

O físico Seth Brundle (Jeff Goldblum) está a desenvolver uma máquina que fará do teletransporte uma realidade. Em uma festa que reúne diversos cientistas, ele conhece Veronica Quaife (Geena Davis), jornalista que o acompanhará em suas experiências. Porém, após alguns problemas e goles, o físico deixa de colocar objetos na máquina e entra nela por conta própria. O que ele não esperava era que uma mosca se juntasse nesta empreitada.

O roteiro é muito bem escrito, com um plot que caminha de forma interessante e que não se dá ao desprazer de ficar explicando demais. Até porque trata de assuntos científicos muito extensos e complexos, onde qualquer objeção poderia criar muitas dúvidas ou tomar um precioso tempo. Charles Edward Pogue e Cronenberg fizeram uma história na medida certa, sem pôr nem tirar..

Uma das poucas críticas que tenho em relação à direção é a fraca construção da relação entre os personagens. Em alguns momentos, há uma profundidade absurda no relacionamento entre Seth e Veronica, em outros, chega a ser inacreditável a atitude (ou a ausência dela) de determinado personagem. Mas isso não ofusca a genialidade de Cronenberg ao dirigir todas as outras cenas, com destaque a uma das últimas sequências, que desperta - de uma vez só - nojo, sensibilidade e até reflexões existencialistas.

E por falar em nojo, não é uma boa comprar aquele sanduíche da esquina ou fazer uma pipoca para mastigar durante o filme. A maquiagem é tão violenta que o trabalho de Chris Walas e Stephan Dupuis rendeu um Oscar na categoria, a metamorfose de Seth é tão assustadora quanto bem detalhada. As atuações não seguem lá a mesma qualidade, mas conseguem convencer, Geena Davis cai até bem como uma Ripley do laboratório.


A Mosca é um excelente filme e merece tomar aquela sua horinha e meia de puro tédio. Talvez ele não seja um dos melhores filmes em efeitos especiais ou som, mas transpõe sua premissa de forma absurda, chegando a abordar temáticas que poucos esperariam durante a projeção. Quer ver algo dele mas tá com preguiça de procurar? Colocamos logo abaixo um de seus trailers, aproveite.

Obs.: Texto originalmente publicado na Área Clássica do antigo DN em 17/11/2013.

9/10

-

A Mosca (The Fly) - EUA 1986 - Direção: David Cronenberg - Roteiro: David Cronenberg, Charles Edward Pogue e George Langelaan (conto) - Com: Jeff Goldblum, Geena Davis, John Getz e George Chuvalo
 
© 2014. Design por Main Blogger | Editado e finalizado por Guilherme e Carlos